Agora que chegou aqui não tem mais volta, meu amigo.

Então leia e aproveite o que minha loucura criatividade tem para oferecer.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Desbravador

Um dia ele acordou e descobriu que podia se teletransportar para qualquer lugar. Foi um susto, viu o parque de diversões na televisão e desejou estar lá. Ouviu um chiado e tudo escureceu, no momento seguinte estava no meio do parque, ainda de pijamas. Uma confusão até ele concentrar-se novamente e conseguir voltar para seu pequeno apartamento de um quarto na periferia da cidade.

A vida nunca mais foi a mesma. Foi testando seu novo dom, indo a alguns lugares próximos, geralmente locais particulares ou caros que nunca teve condições de ir. Via-se em meio a festas, parques, clubes luxuosos, lugares onde normalmente ele só entraria se fosse como servente.

O melhor de tudo: não precisava gastar dinheiro, bastava fazer o que queria (ou pegar o que queria) e sumir sem deixar vestígios. Oportunamente ele até pegava dinheiro dentro de bancos quando bem desejava. Malandro o rapaz.

Os horizontes se ampliaram, começou a desbravar o mundo. Conheceu outras culturas, pontos turísticos famosos pelo mundo inteiro. Entrava gratuitamente em qualquer show, evento, museu, festa, fazia tudo que queria sem dificuldades. Bastava desejar, ouvir o chiado na escuridão e estava lá sem ninguém perceber.

Veio o melhor de tudo: conheceu mulheres. Muitas mulheres. Como podia ter tudo que quisesse, conquistava a todas rapidamente, de qualquer classe, idade, etnia, tipo físico. Bastardo sortudo.

Certo dia houve um problema: o poder falhou. Ele não conseguiu sair da festa de alta sociedade que estava. Vários problemas e quase foi preso até conseguir escapar da enrascada.

Não conseguia mais se teletransportar. Falhava o tempo todo, tudo começou a dar errado. Com isso veio um grave problema: os recursos gratuitos acabaram, precisou voltar a vidinha simples de antes já que não se preocupou em guardar algo. Trabalhar muito dia e noite pra ter um parco salário e pagar aquele minúsculo apartamento. Nada de luxo, sem frequentar dezenas de lugares inacessíveis a meros mortais, adeus mulheres européias de seios grandes.

Entrou em depressão, não suportava mais. Em uma hora tinha tudo, e de repente não tinha mais nada. Amaldiçoou os céus por tamanha crueldade, como poderia ter sido abençoado com tal dom e de repente voltar a ser o coitado de antes?

Desejou, com todas as forças, que estivesse caindo no centro de um vulcão. Acabar com todo esse sofrimento de maneira dolorosa no magma fervente.

Foi quando ouviu um chiado e tudo escureceu. O medo subiu a espinha, e de repente se viu em queda livre, rumo a morte iminente. Não preciso narrar o que aconteceu.

Já dizia o velho e conhecido ditado: Cuidado com o que deseja.

2 comentários:

Andy Espectro disse...

Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. O cara deveria ter lembrado dessa pérola de Stan Lee e não fazer cagada.

Gostei do conto.

Aliás, me identifiquei com o blog inteiro, achei duka!

Parabéns. Vou pôr nos favoritos, aqui.

Eric Rafael Alves disse...

Valeu, cara!

Quando o cara viaja muito em trabalho/aula/casa/mulher, fica imaginando como seria uma vida com superpoderes.

Mas nem tudo é fácil, afinal hahaha