Agora que chegou aqui não tem mais volta, meu amigo.

Então leia e aproveite o que minha loucura criatividade tem para oferecer.

sábado, 18 de outubro de 2008

Apenas um sábado com futebol

Não sou um cara que curte a vida da maneira que gostaria, infelizmente. Mas uma das atividades que mais me agrada eu consigo manter: Aquele jogo de futebol aos sábados.
Os bons amigos(os poucos que restaram) se reúnem no meio da tarde ou um pouco mais ao entardecer para aquela partida agradável, mesmo todos sendo ruins pra caralho.
Esses tempos, teve um dia de jogo em especial que me rende uma lembrança um tanto que marcante. Não pelo jogo em si(apesar de ter feito um gol bonito), mas pelo que me aconteceu após o jogo.
Já era noite, me despedi dos amigos após a sofrida vitória e fui para o ponto de ônibus.
Para minha desgraça, perdi o onibus por questão de poucos segundos. Como eu já sabia, a partir daquela hora demorava cerca de 45 minutos pra vir outro.
Cara, o que eu podia fazer até lá?
Olhei pro lado e vi um bar. Fui tomar uma cerveja sozinho.
Sentei numa das mesas e pedi uma skol. Passava um jogo do flamengo na tv, tinha um dois caras sentados vendo.

Servi o primeiro copo, e reparei que o tempo estava ameaçando chuva.
Sozinho, bebendo, o pensamento começou a voar longe.

No segundo copo, comecei a me questionar em alguns aspectos da minha vida:
Estou realmente feliz com o meu trabalho?
Será que gosto mesmo do que faço na faculdade?
Tantos amigos, mas quantos realmente são amigos?
A chuva começou, com pingos fortes, parecia granizo até.

O terceiro copo esvaziou a garrafa, e esvaziou os poucos bons pensamentos que eu tive.
Pedi outra Skol.
Mais um copo e comecei a analisar a minha vida.
Até onde eu cheguei, e se era o que eu pretendia. As decisões que na hora parecem corretíssimas, mas depois penso que foram grandes mancadas. E, nossa, algumas horas parece que todas as decisões são precipitadas e erradas.
Percebi que estava cantarolando uma música:
There I was completely wasting
Out of work and down
All inside it's so frustrating
As I drift from town to town
Feel as though nobody cares
If I live or die
So I might as well begin
To put some action in my life
(Breaking the law - Judas Priest)

Servi outro copo.
...
Pensei "nela".
Não importa o que eu faça, ela sempre está na minha cabeça, ainda mais numa hora dessas. Já passou, eu sei, mas o presente é constantemente incomodado com os fantasmas do passado.

último copo.
Nessa altura, a maioria já está viajando. Mas eu não. Minha mente estava lúcida e calma, e analisando a dura realidade.
Eu não estava feliz, nem triste... mas incomodado.

Fui pra parada.
Sentei no banco e vi que estava sozinho, literalmente e emocionalmente.
Ali permaneci por alguns instantes até que alguém sentou do meu lado.
Era um antigo amigo, que eu não via a cerca de 2 anos.
Começamos a conversar. Ele é uma boa pessoa, temos mais em comum do que imaginávamos.
Finalmente o busão chegou, e nós fomos nele.
De alguma forma, a conversa com ele levantou meu astral, eu me senti bem.
Quando você pensa que está rodeado de escuridão, basta olhar pra frente e ver que sempre tem uma luz brilhante pra te tirar dela.
Me despedi do cara e desci na minha parada.
A chuva ainda caía, mas agora com gotas mais finas.
Não abri o guarda chuva, pois a chuva não é minha inimiga. E o que não me destrói me fortalece.
Desci a rua em direção a minha casa caminhando normalmente.
Após tantos pensamentos e reflexões, reparei que estava cantarolando novamente, mas algo diferente:

I'm gonna get it up
Never gonna let it up
Cruisin' on the seven seas
A pirate of my loving needs
I'll never go down, never go down
(Let's get it up - AC/DC)

2 comentários:

arthurraupp disse...

Sempre na skol, heinho bebum!

Sra. Gabriela Sindromelica disse...

Massa!
Muito sutil a maneira como fala da chuva, e como analisa as situações!

Bacanãoooo!
Beijinho!